Espumantes - Vinhos Mundi

 Espumantes

  • Espumante é um tipo vinho que tem nível significativo de dióxido de carbono, fazendo-o borbulhar quando servido. O Dióxido de carbono resulta de fermentação natural, seja ela feita dentro da garrafa ou fora dela. As borbulhas de um Espumante de CO₂ que se formam durante o serviço são denominadas perlage
  • Em regra, a confusão entre tais termos ocorre quando estamos diante de um vinho visivelmente gaseificado (presença de CO2). Primeiro, registremos a célebre frase: Todo champagne é espumante, mas nem todo espumante é champagne. Ou, ainda: Nem tudo que não é champagne é prosecco.É chamado de espumante (ou sparkling wine) todo vinho que sofre duas fermentações naturais. A primeira é a fermentação alcoólica, comum de todos os vinhos, que transforma o açúcar da uva em álcool e que ocorre em tanques ou barris de carvalho. A segunda, onde o espumante adquire a efervescência, tanto pode ocorrer em tanques de aço inox pressurizados (método charmat) como podem ser feitas na própria garrafa (método champenoise ou tradicional/clássico)

Mais sobre os Espumantes

  • O açúcar desempenha um papel importante na produção dos espumantes e pode ser utilizados em três etapas diferentes, com três funções diferentes, Para aumentar o nível de álcool durante a fermentação, Para induzir a segunda fermentação, responsável pela criação das bolhas, também na etapa final no processo de produção dos espumantes, quando o licor de expedição é acrescentado. Este licor é uma espécie de xarope, composto por – vinho base + dosagem de açúcar – e é ele o principal responsável pela sensação de doçura dos espumantes. Embora haja exceções, as vinícolas dosam a quantidade de açúcar que acrescentam com o intuito de corrigirem algumas características dos seus espumantes, como acidez elevada, amargor, etc. O objetivo é procurar um equilíbrio entre todas as nuances que compõem o espumante.
  • Espumante Nature: Provavelmente é o tipo com maior diversidade de designações, conhecido como Brut Nature, É o mais seco dos espumantes, porque não recebe qualquer dosagem de açúcar, ou seja está no seu estado “natural”. 
  • Espumante Extra-Brut: É um espumante extremamente seco, que tem, no máximo até 6g/L de açúcar residual.
  • Espumante Brut: Provavelmente este é um dos tipos de espumante mais consumidos no Brasil, que apresentam um teor de açúcar entre 6g/L e 15 g/L. Apesar dos valores parecerem altos (aproximadamente entre 1 a 2,5 dos pacotinhos de açúcar do café por litro), a acidez natural dos espumantes mascaram a sensação de doçura, proporcionando uma percepção fresca e agradável.
  • Espumante Extra-Seco: Também designado por Extra-Dry, apresenta um teor de açúcar entre 12 e 17 g/L.
  • Espumante Seco: Conhecido como Sec, ou ainda Dry, este é um dos tipos de espumantes aconselhados para acompanhar comidas agridoces. Apresentam de 17 a 20 g/L de açúcar residual.
  • Espumantes Demi-Sec: Poderíamos dizer que entramos agora na categoria dos espumantes doces, com teores de açúcar acima de 15 g/l, chegando a valores entre 30-50 g/l.
  • Espumantes Doce: Também conhecidos como Doux na França, são frequentemente encaixados na categoria de vinhos de sobremesa, têm açúcar residual acima de 60 g/L. Este grau de doçura é encontrado na maioria dos espumantes moscatéis elaborados no Brasil.   

Produtos para comparar (0)


Exibindo de 1 a 28 do total de 28 (1 páginas)